Páginas

fevereiro 04, 2014

Ninho-Casulo



Ainda menina, já sonhava com a casa: janelas abertas, árvores no quintal.
Sonhava com aconchego, com carinho, calor humano abrigados sob as telhas de barro.
Queria ter asas enormes, não pra voar, mas para abrigar e proteger todo mundo que precisasse.
Daí cresci e me rendi ao sistema seguindo à risca o protocolo: faculdade, emprego fixo, apartamento, seguro do carro.
Mas, caramba, não me adaptava, a coisa nunca chegou a fluir.
De volta às origens, acabei realizando o sonho da casa. Mais que casa: ninho! Mais que ninho: casulo!
Lugar onde me abrigo, onde me sinto segura, onde tenho liberdade de me metamorfosear. E onde posso acolher gente! Gente que sabe que precisa, gente que procura, gente que quer ser ajudada a percorrer esses caminhos da vida da gente.
No meu ninho-casulo a transformação veio e preparou as asas com as quais posso encobrir quem precisar.
Lar.

0 Comentários: